f
  • sociedade secreta
  • o homem do bosque
  • sangue na neve
  •  o visconde que me amava
  • Um Gato de Rua Chamado Bob
  •  O Dominador
  • sedução ao amanhecer
  • a estrela mais brilhante do céu
  • a pousada rose harbor
  • o poder da espada
  • os naufragos
  • entre  o agora e o nunca
  • mel e amendoa
  • puro
  • as feiticeiras de west end
  • a cidade sombria
  • a improvavel jornada
  • emmi e leo

Emília no país da Gramática

Emília no País da Gramática, Monteiro Lobato
O terceiro livro que escolhi com o tema Literatura Infanto-Juvenil, para o Desafio Literário 2011, foi ainda com o mesmo autor do primeiro livro, Monteiro Lobato, Emília no país da Gramática. Encontrei neste Desafio um motivo pra eu ler alguns livros deste autor que ainda não havia lido na infância, adorei a experiência.


Tendo a sua primeira publicação em 1934, e ter por tema a Língua Portuguesa, tornei-me curiosa, como ainda seria adotado e utilizado, em nossos dias, um livro cujo assunto possui tamanha mobilidade? Pura surpresa! Além da grande originalidade de produzir uma história infantil com um tema técnico, o livro possui uma narrativa extremamente envolvente, e se torna uma interessante forma de ensino da Língua Portuguesa.

Portugália
Diante das dificuldades de Pedrinho com as aulas de Gramática com sua avó, Emília propõe a turma ir ao País da Gramática, levados pelo rinoceronte, que garantia ser grande conhecedor do lugar. Seguiram viagem em monta no rinoceronte - depois batizado pela Emília, por Quindim - Emília, Pedrinho, Narizinho e Visconde. Gramática é um pais com várias cidades, e eles decidiram visitar a cidade de Portugália, onde moram as palavras da língua portuguesa. Quindim, como se percebe em todo livro, não é um mero condutor das crianças ao país da Gramática, é sim, um grande gramático, que vai por meio de explicações lúdicas, facilitar o conhecimento das regras e dos conceitos gramaticais de nossa língua.


 Assim como na Gramática tradicional, a visita à cidade Portugália se inicia pelos sons da língua, depois ruma em direção das vogais e consoantes, passando pelo substantivo, adjetivo, verbos ... até ao estudo ortográfico. Tudo na maior diversão, com enredo cativante e diálogos engraçados.Vale lembrar o Nome José, um habitante do bairro Substantivo, ele é muito magro por trabalhar muito, já que seu nome é dado a muitos brasileiros, vejam o diálogo:

[...] - Neste caso o nome José deve ser fininho como um palito - disse Emília - E o nome Maria também. - Falai do mau, apontai o pau! gritou Narizinho, - Lá vem o nome José. Soando em bicas, magro que nem espeto, surrado que nem taramela de por de cozinha... - venha cá senhor, Nome José! - Chamou Emília. O Nome José aproximou-se, arquejante, ao limpar o suor da testa. - Cansadinho, hem? - Nem me fale, menina! - disse ele - A todo o momento nascem crianças que os pais querem que eu batize, de modo que eu vivo em uma perpétua correria de igreja em igreja [...] 

Cada capítulo é uma diversão. A visita ao verbo Ser é muito engraçada ... este verbo é o rei do lugar, ele é o mais importante de todos e Emília pede uma audiência com ele passando-se por repórter do jornal O Grito do Picapau Amarelo.


Verbo Ser
[...]
 - Salve Serência! - Exclamou Emília curvando-se diante dele[...] O que me traz à vossa augusta presença é o desejo de bem servir aos milhares de leitores de O Grito do Picapau Amarelo, o jornal de maior tiragem do sítio de Dona Benta. Os coitados estão ansiosos por conhecer as ideias de Vossa Serência sobre mil coisas.
- Eu sou o Verbo dos Verbos, porque eu sou o que faz tudo o quanto existe ser. Se você existe, bonequinha, é por minha causa. [...]
 - [...] Sou o Pai dos Verbos! Sou o Pai de Tudo! Sou o Pai Do Mundo! Como poderia o mundo existir ou ser se não fosse eu? Responda?
- Não tem resposta, Serência. É isso mesmo - disse Emília escrevendo. - Os leitores de O Gritovão ficar tontos com a minha reportagem. O diabo é este lápis sem ponta. Não haverá por ai algum canivete, ou faca que não seja de mesa, Serência?
[...]
Vale à pena ler cada capítulo, alguns podem achar que o livro é chato ou menos importante, ou ainda banal, já que aprendemos português desde pequeninho, mas é bom ressaltar que a Língua é viva, que ela como nós se modifica; A Gramática é a relação de normas que devemos seguir para nos expressamos; que a Língua Portuguesa é a responsável pela nossa escrita e fala; que não faremos nada de útil na vida se não dominá-la.

Esta invenção de Lobato parece um puxão de orelha na aprendizagem tradicional e chama a atenção pra um ensino mesclado de didática, teoria e prática, além de nos conduzir numa maravilhosa viagem com a turma do sítio.

Gostou da postagem? comente, deixe sua opinião.
Obrigada pela visita